Reconhecimento Facial, a explicação

14/05/2014
Compartir!

O termo “reconhecimento facial” é usado para descrever o processo no qual uma aplicação verifica a identidade de uma pessoa. O software é usado para detetar o local de um rosto específico numa fotografia ou vídeo, e é suficientemente inteligente para ignorar outros objetos circundantes como edifícios, animais, carros ou árvores.

Agora, é possível saber o sexo de uma pessoa, a sua idade aproximada, se usa óculos ou não e até como ela se está a sentir, através apenas do seu rosto. Não há dúvida que o rosto humano é uma fonte rica de informações valiosas.

Os seres humanos são capazes de processos os rostos muito rapidamente. Em menos de um segundo podemos reconhecer alguém e até determinar como essa pessoa se sente. No caso do software, contudo, esse processo é muito mais complexo, mas é muito preciso.

Por outras palavras, este processo começa por examinar a imagem ou vídeo e, em seguida, determinar se existem rostos distinguindo-os do fundo. Este procedimento é feito independentemente da má iluminação ou das alterações na orientação do rosto.

Diferença entre deteção facial e reconhecimento facial

Deve estar a questionar-se... “Mas se o software deteta um rosto, isso acontece porque este é reconhecido”. A ideia é essa, mais ou menos.

Infelizmente, os termos “deteção facial” e “reconhecimento facial” têm sido mal empregues, especialmente pelos meios de comunicação, que muitas vezes têm dificuldade em distinguir os dois processos. Conforme mencionado acima, a ideia é que, para haver reconhecimento facial, em primeiro lugar, deve haver deteção facial.

A deteção facial é o processo no qual o software determina, através de algoritmos, se a imagem ou vídeo contém rostos humanos. Não determina a identidade de uma pessoa. Indica apenas se existem rostos. Por essa razão, a deteção facial não armazena quaisquer informações ou detalhes sobre a pessoa detetada, é completamente anónimo. Então, se o software deteta um rosto numa imagem específica, e esse mesmo rosto é detetado novamente mais tarde, ele não irá reconhecer esse rosto como sendo a mesma pessoa, pois vai apenas detetar um rosto humano numa determinada imagem. No entanto, será capaz de manter algumas informações demográficas, como o sexo ou idade da pessoa, informações essas que são úteis para as estatísticas demográficas. Em conclusão, a deteção facial, por si só, não reconhece um indivíduo.

Além disso, o reconhecimento facial identifica-se automaticamente. Isto significa que o software faz uma identificação positiva do rosto de uma pessoa numa fotografia ou vídeo e compara com uma base de dados de rostos existente. Este reconhecimento é possível porque o rosto foi previamente registado numa base de dados. Para que o reconhecimento facial proporcione um reconhecimento bem-sucedido, o rosto tem de estar registado segundo alguns critérios de qualidade, como a frontalidade, iluminação ou tamanho do rosto (em pixeis).

Em seguida, o software irá determinar pontos-chave únicos do rosto usados para identificar a pessoa específica registada na base de dados. O sistema irá então usar estes pontos-chave para comparar com as informações da nova imagem ou vídeo. Depois, se o rosto apresentar um nível de confiança elevada, isso significa que tem uma “correspondência”, sendo assim “reconhecida”.

São necessários muitos detalhes para reconhecer a identidade de uma pessoa ou as suas características, detalhes que são indetetáveis ao olho humano. Mas agora, graças aos incríveis desenvolvimentos tecnológicos, somos capazes de construir software de alta tecnologia que é até capaz de reconhecer vários rostos em ambientes variáveis e movimentados, como aeroportos, estações de comboio, centros comerciais, estádios desportivos...

Como o CEO da Herta, Javier Rodríguez, diz: “o olho humano é a máquina mais perfeita que existe. Embora uma máquina possa ter na memória milhões de rostos que o ser humano não seria capaz de reconhecer”.

Tem alguma ideia de como poderia utilizar o reconhecimento facial? Entre em contacto connosco!

Written by: Laura Blanc Pedregal