A Face do Futuro

12/12/2014
Compartir!

Neste mundo em rápido crescimento em que vivemos, a inovação tecnológica têm sido um fator obrigatório para a maioria dos setores industriais. As alterações são bastante evidentes: passámos de escrever os nossos trabalhos de casa e de o entregar ao nosso professor, a partilhá-lo online num blog partilhado com os nossos colegas de turma. Ou de fazer cálculos matemáticos à mão a tocar apenas nos números de uma calculadora e deixá-la fazer o trabalho. Não há dúvidas que a tecnologia nos trouxe um maior conforto e que tornou as nossas vidas muito mais fáceis.

O software de reconhecimento facial tem sofrido um espantoso progresso de inovação e as suas capacidades cresceram de forma significante. O reconhecimento facial está a evoluir e a ficar mais inteligente de forma constante porque as pessoas o estão a usa mais, mesmo que não tenhamos essa noção.

Vamos olhar para a nossa vida diária. As redes sociais introduziram um software de reconhecimento facial que identifica as pessoas de forma automáticas e que sugere que se marca a pessoa na fotografia. Muitas apps estão também a usar este software para detetar faces e para fazer modificações através de uma qualquer ferramenta de edição, ou que advinham a idade e o género do sujeito detetado.

Uma das razões pelas quais o reconhecimento facial é tão popular porque as imagens faciais existem em todo o lado“, afirma Kevin Bowyer, um especialista em biometria e membro do departamento de engenharia e ciência computorizada da Universidade de Notre Dame.

E se pensarmos no assunto, o progresso que tem sido feito na deteção e identificação facial na última década é impressionante.

Exato e Único

Agora, passando à frente do debate da segurança contra a privacidade, é necessário compreender como a tecnologia de reconhecimento facial ajuda a melhorar o bem-estar das pessoas e das empresas em muitos níveis diferentes.

A vigilância em geral está agora presente na nossa vida quotidiana. E o reconhecimento facial é utilizado de muitas formas, como nas redes sociais, negócios comerciais, eventos desportivos, banca, forças de segurança e nos transportes. De acordo com a NIST, os algoritmos atuais de reconhecimento facial demonstram ser 10 vezes mais exatos do que aqueles que existiam em 2002 e 100 vezes mais exatos do que aqueles que existiam em 1995. Por isso, é um software que ainda está a evoluir de forma fascinante.                       

O reconhecimento biométrico oferece um nível elevado de segurança para as empresas e indústrias. Muitos países estão a beneficiar da utilização de reconhecimento facial nos seus serviços e eventos, e a sua reputação melhora devido à segurança que os seus cidadãos experienciam. Agora, esta tecnologia permite-nos identificar pessoas estrangeiras que desejam visitar o nosso país, aumentando as probabilidades de detetar pessoas não desejáveis e problemáticas e que permite autorizar/negar acesso em áreas específicas.

Mas como acontece com muitas outras tecnologias, não é tão fácil quanto parece. “A identificação é um processo muito confuso. É tão confusa para os computadores quanto para os humanos” afirma Kelly Gates, autora do livro “O Nosso Futuro Biométrico: Tecnologia de Reconhecimento Facial”.

As pessoas parecem-se umas com as outras, as pessoas parecem diferentes ao longo do tempo… Nunca se pode estabelecer certezas; pode-se apenas estabelecer probabilidades de combinações.”

Adicionalmente, o conceito do reconhecimento facial é intrinsecamente interessante, e as suas vantagens são óbvias. Quantos filmes de ficção científica, filmes de animação e livros de banda desenhada puxaram pela ideia da tecnologia biométrica? Em breve poderemos pagar nas lojas apenas realizando um scan das nossas caraterísticas faciais!

Sabia que?

Os estudos de reconhecimento facial começaram na década de 60, com Woody Bledsoe, Helen Chan Wolf e Charles Bisson - pioneiros do reconhecimento facial automatizado – que trabalharam juntos utilizando o computador para reconhecer faces humanas.

Até ao presente, ocorreram muitas melhorias na tecnologia de biometria, não apenas no reconhecimento facial, mas também na identificação através das impressões digitais e da íris. Contudo, o fator chave que tornou o reconhecimento fácil numa ferramenta relevante para a segurança é que não exige contacto direto com o sujeito. É por isto que muitas indústrias continuam a investir na pesquisa e nas melhorias da tecnologia de reconhecimento facial, o que aumenta a possibilidade de reconhecer faces em imagens e câmaras de alta resolução e também novos algoritmos que conseguem distinguir entre gémeos idênticos.

Written by: Laura Blanc Pedregal

Quem sabe? Se Herta estivesse lá, ainda viveríamos no paraíso.